Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www7.bahiana.edu.br//jspui/handle/bahiana/2588
Título: Qualidade de vida em saúde das mulheres em idade fértil com epilepsia
Autor(es): Brito, Milena Bastos
Matos, Marcos Antônio Almeida
Pires, Cláudia Geovana da Silva
Pinto, Elen Beatriz Carneiro
Jesus, Pedro Antonio Pereira de
Santos, Ana Maria Cruz
Palavras-chave: Epilepsia. Qualidade de Vida. Mulheres.
Data do documento: 27-Abr-2018
Instituição de ensino de defesa da tese ou dissertação: Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública
Tecnologias em saúde
BAHIANA
BAHIANA
brasil
Descrição: a epilepsia afeta 65 milhões de pessoas em todo o mundo. É definida como a ocorrência de duas ou mais crises epilépticas que resultam de uma descarga anormal de neurônios. Mulheres com epilepsia enfrentam desafios específicos relacionados à doença. Objetivo: avaliar a Qualidade de Vida em Saúde (QVS) de mulheres em idade fértil com epilepsia. Método: estudo de corte-transversal, comparando dois grupos, um com e outro sem epilepsia. A coleta de dados foi realizada através de entrevistas individuais à medida em que as mulheres compareciam aos ambulatórios para consulta e preenchiam os requisitos dos critérios de inclusão e exclusão. Os instrumentos utilizados eram relacionados ao perfil socioeconômico, demográfico e clínico e questionário(s) sobre QV (WHOQOL-bref e QOLIE-31). As informações foram registradas em banco de dados digitais, utilizando o software Statiscal Package for Social Sciences (SPSS). A análise estatística foi feita com Teste Exato de Fisher, Mann-Whitney e Regressão Linear Multivariada. Foi considerado p < 0,05 como medida de significância. Resultados: foram incluídas 80 mulheres com média de idade de 28,2 anos. Observou-se que as mulheres em idade fértil com epilepsia apresentaram QVS menor do que mulheres em idade fértil sem epilepsia e os grupos eram similares em relação à maioria das características sociodemográficas. Contudo, o percentual de mulheres com epilepsia fora do mercado de trabalho (57,5% vs. 30%; p=0,012) e com comorbidades clínicas (27,5% vs. 7,5%; p=0,018) e psiquiátricas (20% vs. 0%; p=0,003) foi maior do que o de mulheres sem epilepsia. As variáveis clínicas associadas e que inluenciam na piora QVS foram: controle de crises e efeitos adversos de DAEs (drogas antiepilépticas). Conclusão: a epilepsia influencia negativamente na QV das mulheres em idade fértil e variáveis clínicas e o controle das crises e efeitos adversos das DAEs podem ter influência sobre a QVS nessa população.
Submitted by Carla Santos (biblioteca.cp2.carla@bahiana.edu.br) on 2018-11-09T13:41:17Z No. of bitstreams: 1 Ana Cruz.pdf: 7449665 bytes, checksum: 03da92e08ad7a38fcf6e18778c72bc3e (MD5)
Approved for entry into archive by JOELMA MAIA (ebmsp-bibliotecacp2@bahiana.edu.br) on 2018-11-09T17:49:05Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Ana Cruz.pdf: 7449665 bytes, checksum: 03da92e08ad7a38fcf6e18778c72bc3e (MD5)
Made available in DSpace on 2018-11-09T17:49:05Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Ana Cruz.pdf: 7449665 bytes, checksum: 03da92e08ad7a38fcf6e18778c72bc3e (MD5) Previous issue date: 2018-04-27
Identificação: http://www7.bahiana.edu.br//jspui/handle/bahiana/2588
Idioma: pt_BR
Aparece nas coleções:Dissertações de Mestrado (Pos_Tec_Saud)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Ana Cruz.pdf7,28 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.